Como escolher o roteador Mesh

Ter uma boa rede Wi-Fi é cada vez mais importante. Com o trabalho remoto, aulas online, jogos, streaming de filmes, músicas e serviços na nuvem, as residências precisam de soluções tão boas quanto as empresas. Nesse artigo você vai entender as boas práticas e como escolher o seu roteador Mesh.

Quando vamos expandir a rede local, o ideal é cabear os Access Points, que são os equipamentos que emitem o sinal Wi-Fi até o roteador. Porém, isso é possível quando o projeto da rede é feito na construção ou na reforma. Depois que a casa está pronta, fica complicado passar cabos.

Até um tempo atrás, a solução era usar repetidores de sinal Wi-Fi. Eles recebem o sinal do AP mais próximo e amplificam para os dispositivos se conectarem. Esse tipo de repetidor tem um problema grave de performance, que degrada em até 50% a taxa de transmissão da rede em cada repetição.

O que é a tecnologia Mesh?

A tecnologia Mesh é uma conexão via rádio entre os APs, que possuem 2 ou mais bandas de rádios, que conectam os APs e reduzem a degradação de performance.

Veja a ilustração abaixo, onde cada AP é conectado via rádio com o roteador central. Note que em modelos de alta performance, chamados de Tri Band, uma banda de 5Ghz é dedicada para o link (backhaul).

Conexão Mesh entre roteadores

Antes de avaliar os principais roteadores com a tecnologia Mesh do mercado brasileiro, você precisa saber que para ter uma boa experiência Wi-Fi, é preciso unir uma boa infraestrutura de rede local com um bom link externo fornecido pela operadora.

Se uma das duas partes falhar, a conexão com a Internet não vai funcionar. Digo isso porque é comum os usuários ignorarem a qualidade do hardware da rede local e colocarem a responsabilidade apenas no link da operadora, acreditando que os roteadores são todos iguais.

Assim como você compra seu computador, que tem muitas características, o roteador, access point e switch também precisam ser escolhidos em função da aplicação que serão submetidos.

E falando da operadora, entenda que o roteador oferecido é, na verdade, um “combo” com o modem, que faz o link com o servidor, o roteador, que gerencia a rede e o access point, que cria a rede Wi-Fi.

Se você quer usar dispositivos de automação e/ou precisa de uma rede estável para trabalhar, estudar e também deseja levar o sinal para toda a casa, você deve desativar a função de roteador e access point do equipamento da operadora, e usá-lo apenas como modem no modo ponte “Bridge”.

Solicite ao instalador da operadora que configure o equipamento dessa forma, para que você tire proveito do seu roteador e AP Mesh.

Se você não puder configurar o equipamento da operadora no modo Bridge, a solução então é deixar o roteador Mesh em modo Bridge, utilizando o equipamento da operadora como roteador. Essa solução não é ideal já que as funcionalidades do roteador que você irá comprar são geralmente superiores, além da estabilidade, memória e processamento.

Cuidado, não deixe os dois equipamentos com a função de roteamento ativadas, isso irá criar uma rede NAT sobre NAT, ou seja, duas redes locais, uma embaixo da outra, que não é a forma correta de configurar a rede local.

Logo, em ambos os casos, desative o Wi-Fi do equipamento da operadora e escolha quem será o roteador, se será o seu roteador ou o equipamento da operadora. Opte pelo seu, sempre que puder.

Com isso esclarecido, vamos ao comparativo!

Comparativo de roteadores

As três marcas mais populares no Brasil são a D-Link, TP-Link e a Intelbras. É claro que temos outras marcas, como a linha Unifi da Ubiquiti, mas como são produtos superiores em hardware e software, optei por deixar de fora desse comparativo.

Escolhi 3 produtos plug’n’play, que com apenas alguns toques no App você coloca a rede para funcionar. Os 3 modelos desse comparativo são muito bons, e os alunos do meu curso de automação usam nos seus projetos.

A principal diferença entre eles é que o kit da Intelbras vem com 2 dispositivos. Isso reduz o alcance, mas torna o preço do kit mais competitivo. Se você optar pelo kit da Intelbras, vale a pena comprar um outro dispositivo adicional para ter um total de 3, que é o ideal para a maioria das residências acima de 100m2.

 D-Link Covr 1103TP-Link Deco M5Intelbras Twibi Giga+
Área de cobertura463m2*510m2*360m2*
Quantidade de APs332
Portas Gigabit122
RádiosDual Band AC1200Dual Band AC1300Dual Band AC1200
MU-MIMOSimSimSim
Dispositivos10010060
Antenas242
Taxa Transmissão 2G300Mbps400Mbps300Mbps
Taxa Transmissão 5G867Mbps867Mbps867Mbps
Potência Consumo8,55W12W12W
Modo BridgeSimSimSim
SegurançaWPA2/3WPA2WPA2
PreçoR$ 1.499,00R$ 1.599,90R$ 819,90
Band steeringSim AutomáticoSim AutomáticoSim Automático
FirewallSimSimSim
ExpansívelSimSimSim
Preço KitR$ 1.499,00R$ 1.599,90R$ 819,90
Dados retirados nos sites dos fabricantes

Alguns cuidados com a rede

Muito cuidado com a área de cobertura informada pelo fabricante! A propagação das ondas de rádio sofre muita interferência e, quase que 100% dos casos, o alcance não chega a metade desse valor.

Cuidado também com o número de dispositivos conectados. Na vida real eu notei que quase sempre não conseguimos usar a quantidade informada pelos fabricantes, eu gosto de trabalhar com no máximo 60% do valor informado.

Outro ponto importante é a taxa de transmissão 5G. Se você tem um link de 300Mbs da operadora, como o meu, certamente você irá usar a banda 5G para conectar a Apple TV, a Smart TV, o celular, notebook e outros equipamentos.

A banda 2G é usada por dispositivos de automação residencial e outros equipamentos que não exigem largura de banda, e usam chips mais simples.

Com isso dito, as 3 marcas atendem uma rede de alto desempenho, porque tem porta gigabit (1000Mbps) para conexão cabeada com o modem da operadora.

O lado oculto dos APs Mesh

O que esse comparativo não mostra é a configuração de band steering. Em equipamentos mais sofisticados como os Unifi da Ubiquiti, esse valor é configurável e você consegue derrubar dispositivos que estão distantes do AP, que reduzem a taxa de transmissão de todos os outros dispositivos conectados nesse AP.

Isso acontece quando você anda pela casa e, em algum momento, o celular por exemplo, irá desconectar de um AP e conectar no outro. Em equipamentos mais sofisticados, a intensidade de sinal em dBm para band steering é ajustável. Nos 3 equipamentos desse comparativo, o valor não é editável e você deve testar a performance na prática, nos valores padrão de cada fabricante.

Quem é o vencedor?

O meu escolhido é o TP-Link Deco M5. O motivo de eu escolher ele para ensinar no curso e também para usar na minha casa no litoral, é o número maior de antenas, o App com função de configuração remota, e o design que é discreto e menor do que os concorrentes.

Mas os equipamentos são similares, e certamente com qualquer dos 3 modelos você ficará bem atendido.

O importante é respeitar as boas práticas que você aprendeu nesse post, e também posicionar os APs em locais centralizados onde o maior número de dispositivos estão, não instalar na posição vertical para evitar direcionamento de sinal, e testar a intensidade de sinal entre cada AP Mesh depois que instalados, para garantir que a rede está equilibrada. Se o sinal entre 2 APs estiver muito fraco, você terá que aproximá-los e/ou mudar de lugar.

Se você gostou desse artigo, compartilhe com quem precisa saber dessas informações. E se você precisa de um profissional para o seu projeto, faça uma busca no portal e envie um WhatsApp para o mais próximo de você.

Um abraço e até a próxima!

Vinicius